terça-feira, 9 de agosto de 2011

Campanha para arrecadação de fundos


Ao mesmo tempo em que a internet ajuda a arrecadar doações e mobilizar as pessoas em prol de alguma causa, surgem também muitas dúvidas a serem esclarecidas no que diz respeito a esta campanha, conforme foi publicado no UOL( segue o texto abaixo).

Pessoas que desejem realizar doações, principalmente em dinheiro, devem ser muito cautelosas e conhecer a entidade. Não hesite em doar, faça a sua parte, mas faça direito, pois se não houver essa preocupação, sua doação pode ser sem utilidade. É muito eficaz verificar pessoalmente (olho no olho) como funciona a instituição e qual o estado de suas instalações.

Solicitar uma lista das pessoas que estão na linha de frente da entidade faz muita diferença, permitirá identificar melhor as idéias e valores implantados.

Devemos sim, nos preocuparmos com o destino de nossa doação, pois o simples fato de realizarmos essa doação não nos desobriga de sermos fiscais de qualquer campanha existente. Uma forma de ajudar? Buscar as respostas sobre qual o valor arrecadado e onde será utilizado.

O importante é ser útil e consciente. Ser solidário não significa apenas doar alguma coisa material, dar uma esmola, fazer sua contribuição dedutível dos impostos ou participar de campanhas, mas também acompanhar a sua doação para que ela chegue ao local necessário e exigir uma prestação de contas.

Agindo assim, permitirá que cada vez mais pessoas sejam estimuladas a dar sua valiosa contribuição e não criar um clima de suspense, onde a duvida sobressairá muito mais na imprensa do que a nobreza da causa.

Abaixo o texto na integra:

Família diz não saber total arrecadado em campanha pró-leão Ariel na internet;
dinheiro vai para instituto da dona do animal

A morte do leão Ariel na tarde dessa quarta-feira (27), em São Paulo, não encerra apenas a agonia do animal que estava em tratamento por conta de uma doença degenerativa. Segundo a dona do felino, Raquel Borges, 39, também chega ao fim a campanha de arrecadação de fundos promovida na internet para ajudar o bicho.

Até ontem à tarde, porém, Raquel dizia não saber quanto havia sido arrecadado em
pouco mais de dois meses de iniciativa mas ela garantiu que a soma será destinada ao "Instituto e Abrigo de Animais Emanuel", que ela preside, destinado a animais vítimas de maus tratos.

Indagada pela reportagem do UOL Notícias sobre quantos animais são cuidados pelo
instituto, Raquel resumiu: "Não há nenhum animal em tratamento lá, mas teremos
tudo à disposição para que possamos ajudar outros animais quando nos for solicitado. Todo o estoque de medicamentos que sobrou do Ariel, por exemplo, vai ajudar esses outros bichos", disse.

No último dia 6, também em entrevista ao UOL, Raquel havia explicado que o instituto, aberto ano passado, auxiliaria a família na captação de doações em dinheiro a fim de ajudar no tratamento de animais dos quais eles cuidam em uma
chácara.

"É onde fica o nosso mantenedouro. Tenho onze tigres e dois leões, um casal de
leões, a mãe, a Menina, e o Ariel. Nós os mantemos, temos uma empresa, mas
tiramos da empresa para mantê-los", afirmou, à época.

O instituto, argumentou Raquel, auxiliaria a manter os animais "bem alimentados,
enfim, todas as necessidades deles". "Até então nós éramos sozinhos, sangrávamos a nossa empresa para dar tudo que eles precisavam. Às vezes passamos necessidade, mas ele [Ariel] não", declarara.

De acordo com Raquel, que é cantora gospel em Maringá (PR), onde a família vive
e onde Ariel viveu antes do tratamento na capital paulista, boa parte das doações de internautas foram medicamentos, "especialmente antibióticos dos mais caros", frisou, além de talcos e shampoos.

"A campanha cessa a partir de hoje (ontem), não vamos mais pedir ajuda. Mas tudo
o que foi arrecadado vai ajudar outros gatos, cachorros e outros animais que
precisarem", destacou. Sobre o valor arrecado, completou: "Vou ver com meu contador, que fica em Maringá; não sei agora de pronto quanto foi. Mas as pessoas ajudaram muito mais em produtos que em dinheiro", salientou, em entrevista por telefone quando ainda estava em São Paulo.

No telefone da família na cidade paranaense, outra pessoa que atendeu o telefonema da reportagem informou, com a voz ainda embargada, que a morte de Ariel era um "momento difícil". Ao ser questionada sobre os fundos arrecadados, a explicação rápida foi a seguinte: "Ele [o leão] vai ter que passar por autópsia, né? Acho que isso vai pagar a autópsia".

Já Raquel disse não ter detalhes sobre procedimento da necropsia. Mas citou que, em apenas um mês, o tratamento de Ariel chegou a custar R$ 18 mil.


Fonte:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/07/28/familia-diz-nao-saber-total-arre\
cadado-em-campanha-pro-leao-ariel-na-internet-dinheiro-vai-para-instituto-da-don\
a-do-animal.jhtm



Repercutiu :

http://www.ogritodobicho.com/2011/08/mais-informacoes-sobre-os-donos-do-leao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário