sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Estudos com insetos para elucidação de crimes aumentam na região Amazônica

Usar insetos para auxiliar a polícia e os médicos legistas a elucidarem crimes é uma das áreas da Entomologia que avançam na Amazônia. A Entomologia Forense ajuda, por exemplo, peritos criminais a determinarem o tempo entre a morte de uma pessoa e a descoberta do corpo (intervalo pós-morte), saber se o corpo foi removido ou se houve uso de veneno e de drogas.

De acordo com a pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/ MCTI), Ruth Keppler, a determinação do tempo de intervalo pós-morte pode ser feita através da utilização de insetos associados à decomposição de cadáveres. 

“Isso já vem sendo utilizado por órgãos públicos do Amazonas e é uma resposta das nossas pesquisas para aplicações em laudos criminais”, disse Keppler.

No corpo em decomposição são encontrados vários insetos. Os mais comuns são as moscas varejeiras (família Calliphoridae) e os besouros, que colonizam o material orgânico, onde desenvolvem suas crias. 

As moscas varejeiras são as primeiras a colonizar um corpo após a morte, na maioria das vezes em questão de horas. Somente quando o corpo está ressecado é que os besouros entram no processo.

A Entomologia Forense é uma área em expansão na região, especialmente nos trabalhos acadêmicos e científicos, e foi uma das temáticas discutidas durante o V Puxirum Entomológico realizado, nesta semana (4 a 6 de novembro), pelo Programa de Pós-Graduação em Entomologia do Inpa (PPG-ENT/ Inpa). 

O nome Puxirum é uma palavra é Nheengatu que significa união de esforços em prol de um algo em comum.

O objetivo principal do evento é aproximar os alunos da graduação dos estudantes da pós-graduação, mostrar os trabalhos desenvolvidos dentro do Instituto na área da Entomologia, além de discutir os desafios e avanços nesta área do conhecimento. “Alcançamos os objetivos, criando esse link entre os estudantes. Isso vai facilitar o intercâmbio e as escolhas dos graduandos na hora de decidir fazer a pós-graduação”, destacou Keppler, coordenadora do V Puxirum Entomológico.

Segundo a coordenadora, nos últimos dois anos tem aumentado consideravelmente o número de trabalhos no PPG-ENT dentro da Entomologia Forense, como a pesquisa desenvolvida por Tamires Rezende Vieira orientada por José Albertino Rafael, que analisou no Mestrado a presença de cocaína nas larvas de moscas criadas em tecido morto intoxicado, o que permite saber o intervalo pós-morte e se a causa foi por overdose da substância. Os experimentos foram feitos com coelhos.

Outras áreas da Entomologia já estavam em andamento ao longo dos anos e faziam parte da grade curricular do Programa, como a entomologia médica, entomologia agrícola e a taxonomia. “A biologia hoje é uma das áreas mais importantes para o futuro. É claro que ela não vem sozinha, ela vem acompanhada das tecnologias, como as engenharias, e nisso tudo a biologia pode ser uma ferramenta que se juntando a outras áreas pode alcançar o objetivo de ter biólogos atuando dentro da biologia do futuro”, destacou Ruth.


Atividades e homenagens:

O Puxirum contou com o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e participação de cerca de 120 estudantes e outros 30 professores e palestrantes. Palestra, mesas-redondas, mini-cursos, apresentação de trabalhos e concurso de fotografia fizeram parte da programação. O estudante do PPG-ENT Marcus Bevilaqua ganhou o concurso com a foto intitulada Louva-Deus San.

Um dos momentos mais marcantes do evento foi a homenagem aos pesquisadores do Inpa, o colombiano naturalizado brasileiro Dr. Eloy Guilhermo Castellón Bermúdez, que se aposenta no próximo ano, e a brasileira Msc. Catarina da Silva Motta (in memoriam). Outro que despertou emoção foi outro o reencontro de parte da turma da pós-graduação de 1990.

“Cheguei ao Brasil para fazer a pós-graduação no Inpa em 1976 e em 1979 me tornei professor. Naquela época não havia professores daqui, eram todos de fora: Rio de Janeiro, São Paulo, Estados Unidos, Alemanha”, disse Bermúdez. “Até 2010 dei aula para todos que passaram pela Entomologia daqui e me retiro no próximo ano com o sentimento de dever cumprido”, completou o pesquisador.

Da mesa de encerramento do evento participaram a coordenadora do Puxirim, Ruth Keppler; a presidente da Fapeam, Maria Olívia, e o coordenador do PPG-ENT, José Wellington de Morais.


Fonte: INPA


Nenhum comentário:

Postar um comentário